Manual básico de como ser trilheiro!

Então você chegou a maravilhosa conclusão que gosta de natureza, belas paisagens e novas descobertas!
Você encontrou um lugar super bacana pra ir conhecer e vai começar a caminhada com o pé direito, de peito estufado e sentindo-se um verdadeiro trilheiro, um explorador convicto que ao final irá transpirar aventura pelos poros!

O intuito desse post não é proporcionar dicas técnicas, falar de equipamentos adequados ou preparação física.
Quero falar daquilo que vejo frequentemente nas trilhas e me arrepia, me faz revirar os olhos e certas vezes me remete a cenas de filmes onde alguém escondia um corpo na floresta, porque tem cada um…. 😀
Então vamos ao que é inaceitável e expressamente proibido que você faça em uma trilha:

Lixo é no Lixo:
4

Esse talvez seja, infelizmente, o primeiro conceito a se passar, lugar de lixo é no lixo.
É triste, mas preciso informar que não adianta você jogar um pacote de Ruffles no chão que não irá brotar um pé da batata da onda. Também não adianta tentar com latas de refrigerante, embalagens e afins.
Você levou a embalagem/recipiente cheio, traga-o vazio e jogue em lugar adequado, afinal estará mais leve do que na ida.
Daqui a pouco estaremos no ano 3.000 e ainda existirá quem não compreendeu o que é impacto ambiental e como podemos reduzi-lo, preservando nossas paisagens favoritas.

Alimente-se adequadamente:
mesa-de-café-da-manhã-com-frutas-pães-sucos-bolos-e-iogurt
Comer e hidratar-se é fundamental para a realização de qualquer atividade física.
Isso não significa que você precisa comer como se não houvesse amanhã, afinal comida de mais faz tão mau quanto de menos.
Café da manhã não é um copo de Nescau, almoço não é barra de cereal. Seu corpo irá ser exigido e precisa de energia pra tanto. Ao contrário, você irá compreender da pior forma possível o que sua mãe queria dizer com “saco vazio não para em pé”.
Alimente-se bem, evite gordura em excesso, faça bom uso da cafeina e nunca esqueça de levar ÁGUA, frutas, chocolates, biscoitos…

Não alimente os animais:
2
Na grande maioria das vezes, os animais com os quais nos deparamos nas trilhas por conta própria acabam se afastando. Porém em algumas áreas com fluxo frequente de pessoas ou locais como parques naturais muitas vezes eles podem se aproximar ou acabar cruzando o nosso caminho.
Muita gente oferece comida no interesse de se aproximar do animal e outros tantos o fazem sem malicia e sem ideia do mal que isso pode ocasionar.
Primeiro, animais selvagens são caçadores, apresentar a eles a possibilidade de “ganhar comida” inibi esse instinto de caça, os tornando dependentes, vulneráveis a caçadores e sujeitos a extinção.
Segundo, quando se oferece comidas industrializas é grande a probabilidade do animal se intoxicar, afinal praticamente todo mundo sabe (alguns fingem que não sabem) o tanto de porcaria que empresas colocam nos alimentos pra nos serem mais saborosos ou duráveis.

Fumar na trilha:
3
A não ser que você seja o Gandalf, do filme O Senhor dos Anéis, fumar na trilha é algo bem idiota.
Desculpa ai, mas você mergulha na natureza pra respirar ar puro, então para tranquilamente no meio do caminho e resolve acender um cigarro?! Entendo o seu vicio, mas não entendo a sua lógica.
Aqui nesse quesito inclui-se a maconha, porque não sejamos hipócritas, muitos dos que se intitulam “good vibes” fazem uso da erva, que ainda é legalmente proibida.
Então indiferente do que você fuma, a trilha não é o lugar. Qualquer coisa que você fume é prejudicial pro seu desempenho e isso não é coisa de atleta, o resultado você identifica facilmente ao subir uma pequena ladeira.
Reserve a sua fumaça fedorenta pras baladas, rodas de amigos e lugares mais apropriados, até porque o risco de você causar um desastre ecológico incalculável é grande.

Selfie Mata:
12
Não são raros os casos de quem tenha se machucado e até mesmo morrido em busca da selfie perfeita.
Claro que é praticamente impossível voltar pra casa sem uma recordação e é até mesmo difícil de controlar o desejo daquela postagem de causar inveja nas redes sociais, mas segurança em primeiro lugar.
Cercas e grades de proteção estão ali por um motivo: Proteção. Não as ultrapasse. Bom senso é totalmente grátis, utilize sem moderação e volte pra casa vivo, inteiro, por conta própria e cheio de boas lembranças.
Fotografia alguma vale o risco de uma perna quebrada, uma cicatriz eterna ou até mesmo um óbito, que além de sofrimento aos outros proporciona um desgaste gigante para o resgate.

Não brinque com fogo:
maxresdefault
Reunir os amigos ao redor da fogueira é algo sensacional. Liberta os maus espíritos, promove o aconchego e proporciona histórias super bacanas. Mas prudência é a palavra da vez.
Produzir uma simples brasa ou não apaga-la totalmente pode destruir uma floresta, matar animais e colocar pessoas em risco. Por isso, além de primeiramente verificar se é permitindo fazer fogueiras na área onde irá visitar e a real necessidade de faze-lo, certifique-se de a fazer corretamente, longe de material que possa alastrar o fogo, prestando atenção para as labaredas não tomarem dimensões perigosas e por fim, mas não menos importante, apagar definitivamente qualquer fagulha antes de ir embora.

Trilha não é desfile:
14
Esse é um lembrete especial para as mulheres, afinal homens não tem um closet tão diversificado!
Aqui inclui-se também um alerta pra roupas justas, de materiais com pouca flexibilidade, que dificultam a ventilação, além de colares, pulseiras e aqueles adornos da cigana Sandra Rosa Madalena!
Na hora de decidir o que calçar, bota ou tênis, qualquer outra escolha estará errada, é fato.
Esqueça os chinelos, botinhas de camurça, snickers, saltinhos “básicos”, sandálias…
Você irá atolar, torcer o tornozelo, escorregar, cair e pode até mesmo se machucar. Além de não haver glamour nenhum, é ridículo e você será a graça do grupo dando seus passos em falso e escorregões.
Vai por mim, bota ou tênis. 😉

Como mencionado no titulo dessa postagem, o intuito é ser um manual BÁSICO, do que não fazer.
Não pretendo ser a voz da razão muito menos entrar nos detalhes de como deve-se agir nas atividades outdoor.
Porém, as situações mencionadas são rotineiras, muita gente experiente já cometeu algumas gafes no passado, como não se alimentar direito ou não levar água suficiente e muitas das outras cenas com toda certeza já foram vistas frequentemente entre subidas e descidas.
Por isso, seja consciente. Reflita sobre suas ações, dentro e fora da trilha, com toda certeza suas ações serão menos prejudiciais pra você, pras pessoas e pro ambiente ao seu redor.
Em tempos onde “Gratidão” e “Blessed” (abençoado) são as hashtags preferidas do pessoal, seja realmente grato pelo privilégio de conhecer o destino que está visitando e preserve-o.

Curta e Compartilhe!
0